Cyberpunk 2077: data de lançamento, gameplay e especificações


Maurício Amaro
Maurício Amaro

Anunciado ainda em 2012, Cyberpunk 2077 é antecipado por muitos especialistas como a obra-prima da CD Projekt Red, criadora de The Witcher 3. Após a E3 2019, ficamos todos sabendo que o jogo finalmente chega em 16 de abril de 2020. Mas até lá o que mais podemos falar sobre esse game?

Com diferentes níveis de dificuldade, com sistema de RPG e com Keanu Reeves como personagem em uma terra distópica, Cyberpunk 2077 é uma grande mistura de muitos elementos. Confira neste artigo tudo que sabemos sobre o game e o que você pode esperar dele.

Data de lançamento - 16 de abril de 2020

Keanu Reeves subiu no palco da EA 2019 e anunciou que em 16 de abril de 2020 Cyberpunk estará disponível para computadores, para PlayStation 4 e para Xbox One. Há rumores a respeito da possível presença do jogo nos consoles da próxima geração, mas nada confirmado pela CD Projekt Red.

Além da data, foi anunciado que o jogo já está em pré-venda. Uma edição de colecionador também foi revelada, contendo uma action figure de 25 centímetros da personagem principal, o mercenário ou a mercenária conhecida como V.

Junto da figura teremos uma caixa que lembra um dos muitos prédios que existem em Night City, cidade em que se passa o jogo. Há também um livro e um steelbook. Um mapa da cidade também está incluso nessa edição.

Aproveitando o anúncio, a CD Projekt confirmou que o jogo estará totalmente traduzido e localizado em 18 idiomas diferentes e em algumas variantes. É o caso do português, que estará em em português brasileiro e no de Portugal.

Gameplay de Cyberpunk 2077

O gameplay de mais de 40 minutos Cyberpunk 2077 revelado na EA 2019 nos trouxe algumas informações bastante satisfatórias a respeito do que é esse jogo. Sabemos acima de tudo que ele é um RPG em primeira pessoa, com muitos elementos de FPS. De acordo com os desenvolvedores, há dezenas de armas de fogo que podem ser usadas.

Ele permite criar sua personagem quase desde o zero. Estilo de cabelo, face, cor de pele e mesmo o sexo do avatar pode ser escolhido. Alguns comparam esse sistema ao de Mass Effect, mas com muito mais opções de personalização.

O que não podemos de forma alguma alterar é o "nome": V. E apenas isso, uma letra, que combina com o passado misterioso da personagem principal.

Escolha entre três passados diferentes

Uma das partes mais interessantes reveladas acerca do gameplay de Cyberpunk 2077 é ter que escolher qual o background de V. Você pode ser uma criança de rua, um nômade ou um corporativo.

Cada passado trará habilidades intrínsecas diferentes à personagem. Sendo uma personagem criada no meio corporativo, conseguirá entender melhor as relações de poder e de hierarquia das grandes empresas, por exemplo. Algo que pode ser bem útil em uma distopia como a de Cyberpunk.

Já se optar por ter tido um passado como criança de rua, saberá como lidar com ladrões, golpistas e outras personagens do gênero. Terá aquela "malandragem" para lidar com situações semelhantes a essas.

Cabe salientar que o local de início de jogo será diferente para cada lifepath escolhido.

Opções de diálogo e direção a la GTA

Pudemos notar, ainda que muito por cima, que Cyberpunk 2077 terá opções de diálogo. Como ocorre no próprio The Witcher 3, determinadas situações permitem escolher um caminho ou outro na conversa. V pode ser mais agressivo, por exemplo, ou ser mais paciente em alguns casos. Tudo no jogo afetará o final, o que cria múltiplos finais para o game.

Também sabemos que haverá um sistema de direção de veículos, muito semelhante ao de GTA. Diversos tipos de carros e motos estarão disponíveis no jogo. Você pode alternar a câmera para terceira pessoa dentro dos veículos se quiser.

Está confirmado que você pode guardar diversos veículos em sua garagem dentro do jogo. Porém apenas um pode ser escolhido por vez para pilotar. Isso porque o carro ou moto fica atrelado a V, graças a uma inteligência artificial. Por isso você pode chamar o veículo até você, como Geralt fazia com Carpeado.

Por fim, apesar de haver veículos aéreos e barcos, você não pode pilotá-los, o que é uma pena. Mas dá para nadar em Cyberpunk,

Sistemas de hackeamento e combate violento

Durante o anúncio do gameplay de Cyberpunk 2077 notamos uma funcionalidade interessante, que é a de hackear sistemas. Na prática parece muito com o que Watch Dogs apresentou. Em meio a uma situação complicada é possível ingressar em um local aparentemente proibido usando esse sistema ou mesmo desabilitar algo eletrônico em um adversário.

Usar isso no meio de um diálogo também é possível. Aliás, os diálogos em Cyberpunk não são momentos "fechados". Pelo que se pode perceber, é possível, além das opções de diálogo, cortar a conversar e partir para a briga. Claro que isso afetará completamente o desenvolvimento da narrativa.

Não é à toa que Cyberpunk é um jogo para maiores de 18. Dá para literalmente desmembrar adversários e pessoas inocentes, caso queira, usando uma espada. Há opções de combate corpo a corpo, com um "poder" que deixa tudo mais lento e permite atacar com mais precisão os inimigos.

Ainda que as armas de fogo sejam as grandes estrelas do combate em Cyberpunk, dá para terminar todo o jogo sem matar uma única pessoa. Por isso, mesmo que o game seja considerado um FPS, podemos adotar uma postura mais furtiva.

Crianças e NPCs importantes não podem ser mortos.

Romances no mesmo molde de The Witcher 3

Era de se esperar que houvesse romances e relações sexuais em Cyberpunk 2077. Eles funcionarão da mesma forma que funcionam em The Witcher 3. A diferença é que V pode se relacionar com qualquer pessoa, independente de sua orientação sexual. Isso traz maior profundidade a essa funcionalidade do jogo.

Além disso, já está confirmada nudez explícita e a possibilidade de ter relações mesmo amorosas com NPCs. Ou seja: não será apenas o sexo pelo sexo, o que, mais uma vez, demonstra a intenção da CD Projekt Red de criar uma experiência complexa.

Sistema de classes de Cyberpunk 2077 é aberto

Sistema de Classes Cyberpunk 2077
Você pode ter um estilo de jogo completamente personalizado em Cyberpunk 2077

Algo que agradou muito até agora nas demonstrações de Cyberpunk é a presença de um sistema de classes aberto. Isso significa que mesmo que você tenha preferência por um estilo de jogo, ainda assim pode ter habilidades evoluídas de outro.

Foram confirmadas até agora três classes:

  • Solo: para quem quer ser um assassino frio e solitário no melhor estilo Hitman, essa classe é a mais indicada. Ela rege as habilidades de combate. Quem segue nessa classe é mais ágil e fisicamente mais forte que os demais
  • Techie: aqueles que seguirem pela linha Techie serão considerados modificadores e criadores de objetos. Eles criam equipamentos, melhoram aqueles já existentes. Fazem de tudo para atender as suas necessidades no jogo. Como são inteligentes acima da média, conseguem controlar drones se chegarem a um nível avançado de especialização
  • Netrunner: se hackear é o seu negócio, então você deverá seguir pelo caminho do Netrunner. Você poderá entrar em sistemas, abrir portas, decodificar códigos criptografados e mesmo acessar o cérebro de NPCs. É o estilo de jogo ideal para os jogadores que apostam na furtividade

Night City e um mundo sem barreiras invisíveis para explorar

Já recebemos declarações da CD Projekt Red de que o mapa de Nitgh City, cidade distópica e futurística de Cyberpunk 2077, será maior do que o de The Witcher 3. As comparações são inevitáveis, principalmente porque o mapa das aventuras de Geralt é enorme e vasto.

Outra informação importante é que após o último prédio de Night City não haverá uma barreira invisível. Isso significa que a cidade não será o limite, podendo haver mais conteúdo para ser adicionado posteriormente.

Em termos de divisão de mapa, Night City se divide em seis distritos. Ela é fictícia, claro, mas seria localizada na Costa Oeste da Califórnia, entre Los Angeles e São Francisco. As regiões vão desde as mais pobres às mais ricas e tecnológicas. Veja abaixo um pouco sobre cada uma:

  • City Center: como sugere o nome, é o coração da cidade. É onde se localizam os apartamentos mais luxuosos e onde vivem os cidadãos ricos. As grandes corporações estão localizadas aqui
  • Santo Domingo: zona industrial de Night City. Aqui se localizam fábricas, usinas elétricas, geradores e tudo aquilo que mantém a cidade inteira funcionando
  • Pacifica: apesar do nome, Pacifica não é um distrito nada calmo. Aliás, visite-o apenas se estiver preparado para lutar por sua vida. É onde grande parte das gangues mais perigosas da cidade estão estabelecidas.
  • Watson: em Watson está praticamente toda a comunidade asiática. É um grande labirinto em que se encontram os principais mercados. As ruas são estreitas, apertadas e sempre lotadas de gente.
  • Heywood: V inicia sua jornada em Heywood, distrito em que vive a comunidade latina. É um local em que gangues, corporações e cidadãos comuns dividem espaço.
  • Westbrook: todas as boates mais famosas de Night City estão em Westbrook. Afinal, é onde vivem as celebridades e as pessoas famosas. Tudo aqui é caro, por isso é preciso estar preparado para gastar caso queira frequentar esse espaço.
  • Badlands: além dos seis distritos, temos a Badland. É um local devastado e cheio de mistérios, que pode ser explorado tanto a pé como usando veículos. Seria uma região bastante semelhante ao mundo mostrado em Mad Max.

Especificações para quem quer jogar no PC

Aqueles que jogarão em um PlayStation 4 ou em um Xbox One não precisam se preocupar com requerimentos de sistema. Os jogadores de PC, no entanto, precisam estar atentos para saberem se suas máquinas rodarão bem o Cyberpunk 2077.

Até o momento não temos ainda uma informação oficial a respeito do assunto. O que sabemos que é que a demo do jogo mostrada na E3 2019 foi rodada em um PC, cujas especificações você pode ver abaixo:

  • CPU: Intel i7-8700K – 3.70Ghz
  • Placa Mãe: Asus ROG Strix Z370-I Gaming
  • Memória RAM: G.SKILL Ripjaws V, 2X16GB, 3000Mhz, CL15
  • Placa de vídeo: NVIDIA GeForce GTX1080Ti
  • Armazenamento: SSD Samsung 960 PRO 512GB M.2 PCIe

Lembre-se, no entanto, que o jogo está ainda em desenvolvimento. Portanto essas configurações devem ser reduzidas um pouco, de forma a permitir que jogadores com PC menos turbinado consigam jogar Cyberpunk 2077.

Por outro lado, o game terá suporte à tecnologia ray tracing, o que pode indicar que esse não será um jogo mesmo para máquinas fracas.

O que podemos esperar de Cyberpunk 2077?

Keanu Reeves Cyberpunk 2077
O ator Keanu Reeves dará vida a Silverhand, uma espécie de consciência de V

Keanu Reeves vai interpretar Silverhand, uma das personagens mais icônicas e importantes do jogo. Só isso já é motivo para esperarmos muito de Cyberpunk 2077 e para deixar o hype nas alturas. Somando isso ao fato de CD Projekt Red já nos deu um jogo do ano, que foi The Witcher 3, já temos razão para esperar que esse game seja um dos melhores desta geração.

Analisando os pormenores do que sabemos até agora, teremos em mãos em 16 de abril de 2020 um jogo que se encaixa em vários gêneros, ao mesmo tempo que em nenhum. Cyberpunk 2077 é um RPG, um FPS, um jogo de aventura, com elementos de exploração e de combate que lembram jogos como GTA e Watch Dogs.

O sistema de criação de V também agrada e promete ser um ponto muito legal do jogo. Poderemos, ainda, construir a história dessa personagem, a partir de escolhas que culminarão em múltiplos finais. Mesmo que não haja um "sistema moral", de acordo com a desenvolvedora, esse aspecto também estará muito presente nesse título.

A CD Projekt Red já anunciou que o jogo chegará somente com o modo single player. Futuramente, em atualizações, é possível que haja algum tipo de multiplayer. Já as DLCs estão confirmadas, nos mesmos padrões de The Witcher 3.

Por fim, só nos resta mesmo aguardar pouco menos de um ano para experimentarmos com profundidade esse jogo. Mas certamente podemos considerar que Cyberpunk 2077 será um forte candidato a jogo do ano se as expectativas de confirmarem.

Maurício Amaro
Maurício Amaro
Acadêmico e pesquisador na área de Game Studies, iniciou suas aventuras pelo mundo dos jogos ainda na infância, nos Arcades de Mortal Kombat. É fã incondicional dos games single player, mas não nega uma partidinha de FIFA no modo Online quando tem um tempo livre.