Os 12 melhores jogos do PS2 para você matar a saudade


Maurício Amaro
Maurício Amaro

Que o PlayStation 2 foi um dos melhores consoles já criados, ninguém tem dúvida. O seu sucesso é perceptível pelo número de vendas, que já passou da casa dos 150 milhões de dólares. Além de ser a plataforma de jogos mais vendida da história, abriga certamente muitos dos melhores games que já foram desenvolvidos.

Para quem é saudosista dos tempos do PS2 e mesmo para quem ainda joga nesse console, trazemos os melhores games criados para ele. Na lista abaixo você verá só os clássicos, desde Guitar Hero II a GTA: San Andreas. É para matar a saudade e para ficar com aquela nostalgia gostosa enquanto lê.

1. God of War II

God of War II

God of War II foi a última aventura do Fantasma de Esparta, o deus da guerra Kratos, no PlayStation 2. Aprimorando o que funcionou no primeiro título e corrigindo pequenos erros de mecânica, esse título se destacou pela forte narrativa e por uma jogabilidade simples e eficiente.

Após matar Ares e se tornar o novo deus grego da guerra, Kratos vê-se novamente em um embate com os deuses. Ao ter sua imortalidade retirada por Zeus, é traído, assassinado e enviado às profundezas do Hades. A titã Gaia, na intenção de ter Kratos como seu aliado, instrui o espartano a procurar as Irmãs do Destino, para voltar no tempo, reverter sua morte e vingar-se do Pai do Olimpo.

As aventuras de Kratos em God of War II colocam-no frente a frente com heróis, criaturas e artefatos mitológicos e lendários. O sistema de combate hack n' slash facilita muito a progressão do jogador na narrativa, já que não exige muita estratégia nas horas de luta. Há variados tipos de inimigos, com diferentes níveis de dificuldade e de desafio imposto a Kratos, o que é motivador.

Conforme você avançar no jogo, irá adquirir itens, armas e até pedaços de armaduras. Kratos pode usar o Velo de Ouro, por exemplo, assim como as asas de Ícaro. Tudo isso lhe permite chegar aos enfrentamentos finais com maior capacidade de vitória. Além disso, alguns desses recursos são fundamentais para resolver os puzzles.

Com uma narrativa profunda e com um protagonista complexo, God of War II é um jogo muito bem construído e de sucesso. Pavimentou a chegada de Kratos ao PlayStation 3, além de se tornar um dos títulos mais respeitados pela crítica especializada e pelos jogadores do PS2. É, sem dúvida, um game que marcou esse console.

Você deve jogar esse jogo se:

  • Quiser conhecer uma das primeiras histórias de Kratos
  • Gostar de jogos hack n' slash

2. Black

Black

Black é talvez o melhor shooter em primeira pessoa do PlayStation 2. Há quem o considere, ainda, um dos 100 melhores jogos do gênero já criados. Primeiro porque mesmo pertencendo a uma console da 6ª geração, seus gráficos são melhores do que muitos títulos da geração posterior. Visualmente falando, é um jogo muito detalhado, com uma ambientação gráfica e sonora espetacular.

O sistema de jogo e sua mecânica também espantam positivamente. Black trouxe uma limitação no gameplay que se provou benéfica em termos de desafio: os jogadores só podiam carregar duas armas de cada vez. Para a época isso trouxe uma sensação de fidelidade à vida real, além de exigir dos players maior estratégia em cada missão que realizavam.

Por falar em missão, há oito missões principais em Black. A primeira é curtíssima, pois serve apenas como tutorial do jogo. As próximas sete são extensas, se subdividindo em missões menores dentro de cada uma. É preciso cumprir variados objetivos para progredir de nível. Alguns deles exigem coletas de itens e mesmo destruição de construções.

Em termos narrativos, você assume o controle do Sargento Jack Kellar. Ele está sendo interrogado e deve contar sua história para não ser preso pelo resto da vida. Quando ele decide contar, o jogador passa a controlá-lo e é enviado para a Rússia, quatro dias antes do interrogatório. Todo o jogo, portanto, explica como Kellar foi preso e o que irá acontecer com ele agora.

Não é à toa que Black é considerado uma obra-prima do PlayStation 2. Com gráficos surpreendentes, jogabilidade instigante e sem falhas, leva o jogador a missões desafiadoras e intensas. Infelizmente, apesar de muitos apelos dos jogadores e do sucesso do game, ainda não foi lançada uma continuação.

Você deve jogar esse jogo se:

  • Experimentar um dos melhores shooters da 6ª geração de consoles
  • Gostar de jogos de tiro desafiadores

3. Guitar Hero II

Guitar Hero II

Guitar Hero II foi um sucesso ainda maior do que o seu antecessor e contribuiu para popularizar os jogos musicais. Além disso, é um jogo bastante democrático, visto que não necessita que os jogadores usem a "guitarrinha" para jogá-lo. Quem ficar mais confortável com o joystick pode usá-lo sem problemas.

Com 60 músicas tocáveis, Guitar Hero II leva o jogador a 8 palcos diferentes. Cada palco traz um estilo diferente de rock music. Conforme você avança de palco em palco, a dificuldade das músicas aumenta significativamente. São músicas que vão desde os anos 70 aos anos 2000, trazendo sucessos como Message in a bottle, do The Police, e Beast and the Harlot, do Avenged Sevenfold.

Em relação a jogos posteriores da franquia e mesmo de outras, como Rock Band, as músicas não interpretadas pelos artistas originais. São covers, que, apesar de serem muito bem executados, não trazem o mesmo impacto que as canções "reais". Ainda assim, sentir as notas de cada guitarra e mesmo do baixo de cada música é muito divertido.

O jogo traz, portanto, um modo carreira. Nele você escolhe um guitarrista dentre algumas opções disponíveis. Conforme avança no jogo, pode comprar roupas diferentes para os músicos, assim como outros modelos de guitarra. Cada palco em que você toca há um setlist. Assim que tocar um número x de músicas desse setlist no nível médio ou superior, libera outro palco, e assim por diante.

Os modos multiplayer são também interessantes. Você pode tocar com um amigo uma mesma música de modo cooperativo. Um toca a guitarra solo, enquanto outro toca a guitarra base ou o baixo. Já o Face-off ou Pro face-off coloca você contra o outro jogador.

Em relação aos atuais games do gênero, Guitar Hero II é bastante limitado. Há poucas músicas, poucas opções de instrumentos para tocar e mesmo alguns problemas técnicos e de som, principalmente, que incomodam. Isso não tira, no entanto, o brilho desse jogo. Ele é um clássico do PlayStation 2 e deve ser respeitado como tal.

Você deve jogar esse jogo se:

  • Desejar uma experiência multiplayer local divertida
  • For fã de jogos musicais

4. Silent Hill 2

Silent Hill 2

Com frequência Silent Hill 2 é visto como um dos maiores, senão o maior jogo de terror de todos os tempos. A narrativa é muito bem desenvolvida a partir de uma jogabilidade efetiva e simples. A trilha sonora e a ambientação obscura oferecem os elementos perfeitos para um título conhecido por sua temática de horror psicológico.

A perspectiva do jogo é em terceira pessoa. Dependendo do estágio do jogo no qual você se encontra, no entanto, a câmera alterna seus ângulos. Às vezes se posiciona atrás da personagem, de modo a aumentar a tensão da exploração. Não há qualquer tipo de informação na tela, como mapa, vida ou munição. Tudo isso precisa ser visto no inventário.

Silent Hill 2 é um jogo essencialmente exploratório. Enquanto anda pela cidade, podem aparecer inimigos ou não. Na maioria das vezes é apenas você e o jogo. Puzzles aparecem com frequência, assim como locais fechados, que exigem que se colete uma chave ou outros itens para abri-los.

Aliás, se você quiser, pode completar quase todo o jogo sem entrar em combate. Caso queira, há seis armas disponíveis. Metade é composta por armas de fogo, enquanto a outra é composta por objetos, como um pedaço de madeira. Há duas armas especiais, desbloqueadas quando o jogo é completado.

A narrativa do jogo coloca você no controle de James Sunderland, que vai a Silent Hill após receber uma carta de sua falecida esposa, Mary. Ela pede na carta que ele a encontre em um local especial. Sua missão, portanto, é encontrar esse suposto lugar. A cidade está coberta com uma névoa espessa, e monstros espreitam em todos os lugares para lhe atacar.

O mais interessante é que Silent Hill 2 apresenta seis finais diferentes. Cada um está de acordo com as decisões tomadas pelo jogador durante o gameplay. Por isso e por tudo acima descrito, é um jogo memorável e que vale a pena sempre ser revisitado por quem tem saudade do PlayStation 2.

Você deve jogar esse jogo se:

  • Quiser uma experiência de terror psicológico profunda
  • For fã de jogos de survival

5. Kingdom Hearts II

Kingdom Hearts II

Kingdom Hearts II é uma fusão entre as personagens da Disney e as personagens da franquia Final Fantasy, assim como o primeiro título dessa série também o era. Aqui acompanhamos Sora mais uma vez, na companhia de Pato Donald e Pateta, viajando entre mundos fantásticos do reino de Mickey Mouse.

Em uma bem dosada mistura de RPG com hack n' slash, Kingdom Hearts II marcou época por permitir aos jogadores um contato muito divertido com icônicas personagens da cultura pop. Você pode viajar para mundos como o da Mulan, do Rei Leão, da Bela e a Fera e mesmo o de Tron e de Piratas do Caribe. Além desses, há outros inspirados em produções da Disney. Há uma série de personagens também de Final Fantasy, como Cloud e Sepiroth.

Sua missão é enfrentar a Organização XIII, assim como os monstros hearthless e vilões específicos de cada mundo. Na posse de sua Keyblade e de itens e de magia, você enfrentará uma série de puzzles e de inimigos até a conclusão do jogo, que levará ao terceiro capítulo da franquia.

O sucesso de Kindgom Hearts II foi tanto que no Japão ganhou um mangá e até um romance. Ainda em território japonês foi desenvolvida uma versão especial do jogo, com conteúdo adicional. É, sem dúvida, um dos títulos mais divertidos do PlayStation 2. Há muito jogo para ser explorado, sendo indispensável para quem quer jogar Kingdom Hearts III.

Você deve jogar esse jogo se:

  • Quiser a experiência de um dos melhores crossovers dos videogames
  • For fã das narrativas da Disney

6. Final Fantasy X

Final Fantasy X

O décimo título principal da franquia Final Fantasy foi um marco no PlayStation 2. Ele é a transição dos fundos pré-renderizados para uma ambientação em 3D. Além disso, trouxe pela primeira vez a dublagem aos jogos da série. Por fim, o combate em Final Fantasy X deixou de se basear em turnos em tempo real. Utiliza, ao contrário, turnos que não são condicionados pelo tempo.

Final Fantasy X não é considerado um jogo em mundo aberto, mas dá maior liberdade de exploração ao jogador. Todos os "mundos" do jogo e os seus mapas fazem parte de um único mundo e um único mapa. Por serem integrados, não é preciso realizar viagens de longa distância, como se fazia até então nos títulos da franquia.

Esse jogo traz sete personagens jogáveis: Tidus, Yuna, Rikku, Auron, Lulu, Wakka e Kimahri Ronso. Cada um tem seu set de habilidades, chamados aqui de Sphere Grid. Conforme você vence batalhas e ganha experiência, vai recebendo esferas, que distriubui em uma rede de habilidades de suas personagens. Conforme suas habilidades, podem se especializar em diferentes "classes".

Inicialmente você controla apenas Tidus. Ele é um jogador de um esporte conhecido como Blitzball. Ele acaba sendo atacado por um ser misterioso, que o suga e o transporte no tempo e no espaço. Ao acordar em uma praia, conhece Wakka, guardião de Yuna, uma summoner, que deve se sacrificar para derrotar a entidade chamada de Sin.

Com uma narrativa muito bem construída e com um sistema de batalha inovador para a série na época, Final Fantasy X é um jogo excelente. Trouxe ao PS2 um dos jogos mais queridos da franquia FF. Não é à toa que esse título recebeu uma continuação direta, o X-2.

Você deve jogar esse jogo se:

  • Gostar dos jogos de Final Fantasy
  • Quiser experimentar o primeiro FF da 6ª geração de consoles

7. Shadow of the Colossus

Shadow of the colossus

Esse título é visto como uma obra de arte dentro do mundo dos jogos. Trouxe ao PlayStation 2 um sistema de jogo que não era muito comum para um game de ação. Na pele de Wander, você explora um mundo mais ou menos aberto, em que você deve derrotar 16 colossi, que são criaturas gigantes. Isso para ressuscitar uma menina chamada Mono.

E basicamente é só isso que você deve fazer. Não há outros personagens para interagir, tampouco outros inimigos para eliminar a não ser os colossi. Você não verá cidades, cavernas ou masmorras que possam ser exploradas em troca de ouro ou de itens. Há muito pouca informação inicialmente do que é preciso fazer.

Shadow of the Colossus é um jogo que exige estratégia. Os dois primeiros colossi podem ser eliminados com mais facilidade, visto que estão em campo aberto. A égua de Wander, Agro, também pode ajudar em batalhas em campo aberto. A maioria dos 16 colossi, no entanto, estão em locais fechados.

Wander está munido apenas de uma espada e de um arco e flechas. O jogador precisa encontrar os pontos fracos de cada criatura, de modo a eliminá-las. Isso pode ser facilitado pelo uso da espada, que ilumina esses pontos. Novamente: é um jogo que exigirá paciência tanto para encontrar as criaturas quanto para matá-las.

De modo geral, Shadow of the Colossus é um jogo simples em termos de gameplay. A mecânica é fácil de ser dominada, e os objetivos do jogo parecem claros de serem compreendidos. É na narrativa e na construção do enredo, no entanto, que esse título se destaca. Marca presença, assim, como um dos jogos mais importantes do PlayStation 2.

Você deve jogar esse jogo se:

  • Gostar de jogos em mundo aberto
  • Interessar-se por mecânicas de batalha desafiadoras

8. Grand Theft Auto: San Andreas

Grand Theft Auto: San Andreas

GTA: San Andreas é considerado um dos títulos mais importantes da 6ª geração de consoles. É o jogo mais vendido do PlayStation 2 e um dos mais aclamados da franquia Grand Theft Auto. Apesar de toda a controvérsia gerada em cima de seu gameplay violento, tornou-se um sucesso histórico entre muitos produtos culturais.

Aqui o jogador controla unicamente a personagem Carl Johnson, conhecida como CJ. Ele retorna a Los Santos, um dos distritos do estado fictício de San Andreas, para enterrar sua mãe, após uma temporada de cinco anos em Liberty City. Logo no início, ele recupera o prestígio da família e de sua antiga gangue, a Groove Street Families.

CJ é traído, contudo, por dois amigos e companheiros de crime. Eles estão envolvidos com um policial corrupto, Tenpenny. Ele sequestra CJ, largando-o longe de Los Santos, após prender seu irmão, Sweet. Todas as missões principais levam CJ, portanto, a fazer trabalhos para Tenpenny, enquanto descobre uma forma de se livrar do policial corrupto e conseguir a liberdade do irmão.

Esse jogo traz uma jogabilidade que virou símbolo da série. É uma mistura de shooter em terceira pessoa com exploração em mundo aberto. Essa exploração pode ser feita a pé ou usando veículos, como motos, carros, aviões, tanques de guerra, barcos e mesmo um jet pack. Como é um jogo não linear, você pode fazer qualquer missão disponível que quiser, na ordem que quiser.

San Andreas é um jogo muito lembrado do PlayStation 2 justamente pelas múltiplas possibilidades de gameplay. Além disso, retrata muito bem o mundo do crime, das drogas e da corrupção que envolve os guetos e bairros mais pobres. É, portanto, um marco narrativo e de mecânica de jogo no PS2, ganhando, inclusive, remasterização em outras plataformas.

Você deve jogar esse jogo se:

  • For fã da série Grand Theft Auto
  • Ainda não jogou um dos mais marcantes jogos de GTA

9. Prince of Persia: The Sands of Time

Prince of Persia: The Sands of Time

A experiência proporcionada por The Sands of Time é o que faz dele um título muito importante no PlayStation 2. O enredo é interessante e intrigante. A atmosfera do jogo, seja ela visual ou sonora, é fantástica. Porém é na combinação de fases de luta com fases de exploração que esse Prince of Persia conquistou os jogadores.

A maior parte do jogo irá exigir do jogador que ele atravesse o cenário correndo, escalando e correndo pelas paredes. Isso é fundamental para evitar armadilhas, superar buracos no cenário e alcançar plataformas e estruturas em locais elevados. Ao longo de sua exploração, pode observar que sua barra de vida é facilmente preenchida quando bebe água de fontes. Ela também pode ser expandida quando acessar locais específicos dentro do palácio onde o jogo ocorre.

Em termos de combate, todos os movimentos usados na exploração são eficientes para superar inimigos. Saltar de uma parade para outra ou pular por cima de adversários para fugir dos ataques são movimentos possíveis e que devem ser usados. Todos os seus inimigos ou são humanos ou são animais que viviam no palácio. Além dos Chefes, são 10 diferentes tipos de oponentes no jogo.

Cada inimigo morto lhe dá uma porção de areia. Essa areia é fundamental para recarregar a sua Adaga do Tempo. A Adaga do Tempo é o artefato mais importante do jogo. Com ela é possível voltar até 10 segundos no tempo. Isso evita golpes inimigos, destruição do cenário e mesmo sua própria morte.

Prince of Persia: The Sands of Time é um jogo clássico do PlayStation 2. Foi base não só para games futuros da franquia, mas também serviu de inspiração, sem dúvidas, para jogos como Assassin's Creed. É um título incrível do ponto de vista de mecânica de jogo e muito inovador para a época.

Você deve jogar esse jogo se:

  • Gostar de jogos como os da franquia Assassin's Creed
  • Quiser conhecer uma das franquias mais icônicas dos videogames

10. Resident Evil 4

Resident Evil 4

O quarto título principal da franquia Resident Evil foi considerado um dos mais importantes jogos do PlayStation 2. Totalmente em terceira pessoa, mostra uma grande evolução em termos de jogabilidade em relação ao Resident Evil 3. A mecânica da câmera foi modificada, por exemplo, principalmente em relação ao sistema de tiros.

Em Resident Evil 4, você controla Leon, seis anos depois do segundo jogo da série. Sua missão é resgatar a filha do Presidente dos Estados Unidos da América, que foi sequestrada por um tipo de culto. Uma vez na Espanha, em um vilarejo, você deve enfrentar seus moradores, que foram contaminados por uma espécie de doença.

Como é de costume na franquia, você pode utilizar uma série de armas de fogo. A câmara segue Leon pelas costas, mas se aproxima quando você mira em um inimigo. Uma adição feita nesse jogo foi a possibilidade de usar mira a laser. Os tiros agora afetam as partes do corpo dos inimigos atingidos. É possível desarmar alguém com um tiro nos braços, assim como dá para derrubar um inimigo com um tiro nas pernas.

Outras duas mecânicas adicionadas ao jogo fazem dele um título excepcional para a época. O cenário pode ser usado a seu favor em qualquer momento do jogo, mas principalmente nas batalhas, seja para desviar de um ataque ou para contra-atacar um inimigo.

Foram incluídos também os "minigames" ou eventos em tempo real. Ao apertar uma sequência de botões que aparecem na tela você pode executar diversos movimentos. Há aqueles específicos para fuga, enquanto outros funcionam como ataque.

Resident Evil 4 é ainda hoje um dos jogos mais celebrados da série. Trouxe inovações memoráveis em sua mecânica, em uma narrativa interessante e intrigante. Apesar de os inimigos não serem os canônicos zumbis devoradores de cérebro, há um desafio ainda maior nos combates em relação a títulos anteriores.

Você deve jogar esse jogo se:

  • Gostar da série Resident Evil
  • Quiser uma experiência de ação desafiante

11. Metal Gear Solid 3: Snake Eater

Metal Gear Solid 3: Snake Eater

Metal Gear Solid 3: Snake Eater é um dos jogos mais bonitos do PlayStation 2. Para a época, os gráficos eram perfeitos. O fato de dois terços do jogo ser ambientado em uma floresta favoreceu ainda mais a maior característica da franquia: furtividade. A implementação de outras mecânicas nesse sentido faz desse jogo um dos melhores títulos de stealth do PlayStation 2.

Nesse sentido, completar as missões com paciência, estratégia e movimentos furtivos ainda é o melhor em Snake Eater. Aliás, os jogadores são recompensados por passarem pelas missões sem matar inimigos e sem serem vistos. Os ambientes são repletos de oponentes hostis, o que dificulta esse tipo de gameplay. Mas é justamente aí que reside a diversão do jogo.

Você tem a sua disposição uma série de armas de fogo e de armas brancas. Contudo o interessante é se aproveitar do novo sistema de camuflagem do jogo. A caixa de papelão, clássica da franquia, também está presente. Itens para detectar inimigos podem ser adquiridos nos cenários.

O sistema de camuflagem é o mais divertido do jogo. Você pode adquirir roupas e pinturas faciais. Isso é eficiente, principalmente nos ambientes da floresta. Usar o cenário a seu favor é importante. Se esconder entre arbustos ou subir em árvores é essencial para a progressão no jogo. Há um sistema, ainda, que lhe permite ver o quão invisível você está para os inimigos.

Outras mecânicas interessantes contribuem para que esse jogo seja um dos mais importantes do PS2. Como por exemplo o fato de Snake, o protagonista, perder desempenho quando estiver ferido e precisar ser medicado. Você deve usar, ainda, alimentos da floresta para recuperar sua energia. Além disso, a quantidade de peso que carrega na mochila pode lhe deixar lento.

Por tudo isso, Metal Gear Solid 3: Snake Eater trouxe uma experiência de jogo fantástica aos jogadores do PlayStation 2. Zerá-lo sem matar um inimigo qualquer é uma das maiores recompensas que um jogador pode ter na vida. E, certamente, uma das tarefas mais difíceis de cumprir.

Você deve jogar esse jogo se:

  • Gostar de jogos que privilegiem o estilo stealth
  • Quiser uma experiência de jogo com uma narrativa forte

12. Okami

Okami

Por fim, vamos a uma das maiores obras-primas do PlayStation 2. Okami foi lançado quase junto com o PlayStation 3. Mesmo tendo sido bem recebido pela crítica especializada, teve baixo número de vendas. Ainda assim, fez muito sucesso e ainda hoje é lembrado por seu design em aquarela e pelos fortes traços narrativos.

Nesse jogo, você controla Amaterasu, a deusa japonesa do sol, que assume a forma física de um lobo branco. Sua missão é percorrer a Terra e eliminar Orochi, uma serpente lendária de oito cabeças. Você é acompanhado por um artista, que devolve as cores e a beleza do mundo com técnicas de aquarela.

O jogo é muito simples no que diz respeito à jogabilidade. Inspirado claramente por The Legend of Zelda, faz com que o jogador ataque inimigos, resolva puzzles e explore áreas parcialmente abertas. As missões são lineares, porém é possível realizar quests secundárias sem necessariamente partir logo para as principais.

A técnica conhecida como Celestial Brush é uma das funções mais divertidas do jogo. Você pode desenhar em qualquer momento do gameplay. Seus desenhos podem ser utilizados para vencer inimigos ou para progredir na exploração do cenário. É possível cegar um adversário com tinta, por exemplo, ou cortá-lo ao meio ao fazer um risco na tela com seu pincel.

Okami tem um sistema de combate bastante diversificado. Além do uso da Celestial Brush, pode usar armas e movimentos de artes marciais para derrotar inimigos. Em dojos pode adquirir novos movimentos, por exemplo, e vendedores lhe fornecem itens úteis à progressão do jogo.

Enquanto experiência artística, Okami é um dos jogos mais bem desenvolvidos do PlayStation 2. Proporciona bons momentos de diversão aos seus jogadores, com um pano de fundo mitológico complexo e interessante.

Você deve jogar esse jogo se:

  • Interessar-se pelo conceito de jogo-arte
  • Quiser imergir em elementos da cultura e da mitologia japonesa

Veja quais são os melhores jogos do PS1

Conheça todos os grandes títulos do PS4

Maurício Amaro
Maurício Amaro
Acadêmico e pesquisador na área de Game Studies, iniciou suas aventuras pelo mundo dos jogos ainda na infância, nos Arcades de Mortal Kombat. É fã incondicional dos games single player, mas não nega uma partidinha de FIFA no modo Online quando tem um tempo livre.